Obra da Transnordestina volta a parar 20 dias após visita de Dilma ao Piauí

Operários alegam que estão há dois meses sem receber salários.

CSN afirma que rescindiu contrato com empresa que tocava a obra.

As obras da ferrovia Transnordestina estão paralisadas há cerca de 20 dias no trecho que passa pela cidade de Itaueira, a 344 km de Teresina. A informação é do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de Estradas e Obras de Terraplanagem no Piauí (SintePav). A paralisação ocorreu logo após a visita da presidente Dilma ao canteiro de obras na cidade de Paulistana, ocorrida no dia 11 de setembro.

De acordo com o diretor do sindicato, Edvar Feitosa, cerca de 600 operários estão de braços cruzados devido à falta de pagamento por parte das empresas Transnordestina S/A e CivilPort Engenharia. Além disso, ele denuncia que outros 60 trabalhadores de duas empresas terceirizadas que prestavam serviço para a CivilPort foram demitidos com salários de dois meses e direitos trabalhistas em atraso.

Sindicato acusa empresas de não querer pagar operários (Foto: Catarina Costa/G1 PI)Sindicato acusa empresas de não querer pagar
operários (Foto: Catarina Costa/G1 PI)

“Já denunciamos a falta de pagamento ao Ministério Público do Trabalho de Picos e na segunda-feira (5) vamos entrar com uma medida cautelar na Justiça em Teresina para pedir bloqueio das contas da CivilPort e da Transnordestina. Tentamos negociar três vezes com as empresas e elas se negam a pagar”, disse.

O sindicalista explica que as duas empresas terceirizadas demitiram os funcionários porquem não tiveram seus contratos renovados. Ele sustenta que além dos pagamentos que ficaram pendentes, o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) dos trabalhadores também não foi depositado.

A CSN, empresa que controla a Transnordestina, informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que está rescindindo o contrato com a CivilPort, mas vai dar todo o suporte aos funcionários demitidos. A companhia tem expectativa que esses trabalhadores sejam recontratados pela construtora que vai assumir a obra.

NInguém da Construtora CivilPort foi localizado para comentar o caso.

Prazo comprometido, diz sindicato
O diretor do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de Estradas e Obras de Terraplanagem no Piauí (SintePav) diz que as obras estão comprometidas e com a paralisação o problema deve se agravar ainda mais. Essa é a quarta vez que os operários param somente este ano, o que deve comprometer o prazo de entrega da obra no estado. De acordo com o SintePav, apenas 20% do trecho que passa pelo Piauí está concluído.

“O prejuízo já está grande, pois é a quarta vez que os trabalhadores param esse ano. Não vai ser cumprido o novo prazo de entrega previsto para 2016, pois o trecho do Piauí só tem 20% concluído até agora e ainda ocorrem esses problemas. É uma empresa que não paga ninguém”, disparou o diretor do sindicato.

A CSN não se pronunciou sobre a suposta perda do prazo de entrega da ferrovia Transnordestina.

No Comments